Home > Notícias > Cultura > Conselheiros e gestores inauguram nova fase do Conselho Estadual de Cultura

Conselheiros e gestores inauguram nova fase do Conselho Estadual de Cultura

O Conselho Estadual de Cultura e a Comissão de Intergestores Bipartite já estão em plena atividade. Na posse realizada nesta quarta-feira (26.07), os novos conselheiros eleitos por agentes da cadeia produtiva da cultura e os membros da comissão formada por gestores dos municípios e representantes da Secretaria de Estado de Cultura (SEC) assinaram o Termo de Posse.

Estiveram presentes o secretário de Estado de Cultura, Leandro Carvalho, e o governador de Mato Grosso, Pedro Taques.
 Já nomeados, conselheiros que representam várias regiões do estado e os membros da comissão reuniram-se no Cine Teatro Cuiabá (CTC), para se conhecerem e definirem as primeiras estratégias de atuação.

Durante a posse, o governador Pedro Taques cumprimentou os conselheiros eleitos e ressaltou a importância do Conselho. “É um instrumento da democracia participativa. O Estado fala, mas precisa ouvir a base. Desde que convidei o secretário Leandro Carvalho, a nossa ideia era a interiorização, afinal, Mato Grosso é formado por 141 municípios e eles precisam ser atendidos”, destacou.

“A integração das pessoas jurídicas com capacidade política ao Sistema Estadual da Cultura impulsiona a concretização do CPF, marco legal que apresentamos à Assembleia Legislativa e que foi aprovado. É uma honra que Mato Grosso seja um dos sete estados da Federação a ter o CPF consolidado com a posse dos conselheiros. Parabenizo os eleitos e ressalto que este conselho não tem dono, não pertence ao governador, não pertence ao secretário, pertence à sociedade”.

O secretário Leandro Carvalho avaliou este momento como decisivo para a cultura mato-grossense. “Estamos construindo um novo capítulo, com a participação mais expressiva da sociedade. Nova lei, nova metodologia, trabalhando pela implantação do sistema, com conselho integrado ao Plano Estadual e Fundo, aliada às instâncias de articulação, como conferências estaduais e a Comissão de Intergestores Bipartite”.

De acordo com o secretário, o resultado é melhor distribuição de recursos, igualitária e mais equilibrada entre a região metropolitana e interior, alcançando todas as regiões de Mato Grosso. “Estas reuniões são extremamente valiosas para que a gente construa nosso sistema, para que tiremos do papel o marco legal do CPF da Cultura que lutamos tanto para consolidar. Estamos com uma posição muito privilegiada, entre os sete estados da Federação na implantação dos CPFs municipais. Já são 74 municípios em fase de implantação de sistema. Municípios que têm o próprio conselho, Fundo municipal e, cada vez mais, os planos. Isso consolida o sistema estadual integrado ao sistema federal, mas com uma articulação e vitalidade regional consolidadas”, arrematou.

Leandro Carvalho destacou, ainda, o caráter altruísta dos candidatos e dos eleitos. “Eles possuem um espírito público e vontade de contribuir para o bem público, de trazer a voz de cada região, do segmento, de promover um diálogo bastante aberto, de compartilhar a mensagem e o aprendizado, levando como bagagem de volta a seus municípios. Sempre falando em nome do coletivo, do segmento, da impessoalidade”.

O artista e produtor cultural, Vanderlei César Guello, eleito para representar o Território Cultural Juruena, diz que os agentes do interior têm buscado sempre aumentar a representatividade local nas construções de políticas culturais. “A nova estrutura tem sido muito celebrada. Muitos gestores, produtores e artistas culturais não se sentiam representados, a representação dos territórios culturais é um avanço. Dá voz ao interior, ao estado num todo. A eleição democrática e transparente também é um ponto importante de se ressaltar, já que muitos foram atraídos por esta perspectiva. Impulsionou uma leva de artistas e gestores que vão contribuir com sua experiência diferenciada”.

A secretária-executiva do Conselho, Palloma Torquato, reforçou o caráter de legitimidade do processo eleitoral. “Para garantir o alcance a todas as regiões, apostamos na plataforma Mapas, que possibilitou o engajamento da cadeia produtiva que abrange todos os municípios e, por isso, a participação do interior foi ampliada. Hoje, temos o conselho com uma composição legítima, que representa a cadeia produtiva e os territórios culturais. As demandas dos municípios certamente chegarão com mais velocidade à Secretaria de Estado de Cultura”, finalizou.

por Assessoria | SEC-MT 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *