Home > Destaques > Destaque Slider > Médico realiza o 1º implante de válvula aórtica sem sutura do Centro-Oeste

Médico realiza o 1º implante de válvula aórtica sem sutura do Centro-Oeste

Médico do Hospital Amecor realiza primeiro implante de válvula aórtica sem sutura

Hospital Amecor, em Cuiabá, foi o primeiro no Centro-Oeste a realizar duas cirurgias para implante de prótese aórtica de liberação rápida sutureless. As cirurgias cardíacas foram realizadas na semana passada e esta tecnologia é uma das tendências dos grandes centros, inclusive é uma técnica relativamente nova, sendo utilizada pela primeira vez no Brasil em maio de 2016, no Rio Grande do Sul e mais amplamente difundida após abril desse ano, com a certificação de alguns médicos pelo país.

No Brasil, somente oito equipes de cirurgia cardíaca são certificadas à realização desse procedimento. E em Cuiabá é realizado pela equipe de Cárdio-cirurgia Pró-Cardíaco, do professor e doutor Antonio Carlos Brandi, que opera também em São José do Rio Preto (SP) e utilizando a estrutura da Amecor, trouxe o procedimento para cá, realizado pela primeira vez em Cuiabá.

Ele explica que enquanto em uma cirurgia convencional para troca valvar aórtica, o tempo de circulação extracorpórea (tempo em que o coração e os pulmões ficam parados e uma bomba os substitui) atinge cerca de 70 minutos, quando se utiliza a prótese de liberação rápida, esse tempo é de 30 a 35 minutos.

Com isso, consegue-se um menor trauma metabólico cirúrgico, reduzindo-se o tempo de internação em Unidade de Terapia Intensiva e tempo de internação hospitalar, diminuindo, por exemplo, os índices de infecção hospitalar.

A prótese sem sutura é indicada para os casos de estenose aórtica (quando a válvula aórtica não consegue abrir completamente devido ao acúmulo de cálcio) em pacientes que apresentem risco às cirurgias convencionais. Pacientes idosos ou que apresentem fragilidade física, pacientes com enfisema pulmonar, insuficiência renal ou que apresentem fatores de alta morbidade terão grande benefício com essa nova técnica.

“Quando poderíamos imaginar que uma paciente de 75 anos, com grande fragilidade física, fosse submetida à correção das valvas mitral e aórtica e tivesse condições de alta hospitalar no terceiro dia de pós-operatório”, indaga o médico. (Com Assessoria)

RDNews | Foto: Reprodução

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *